Adufes recepciona novos docentes e destaca a importância da unidade na luta

Foram distribuídos um kit com ficha de sindicalização, cartilhas, camiseta e lápis.

O presidente da Adufes, José Antônio da Rocha Pinto, deu boas-vindas aos docentes recém-chegados à Ufes. O Seminário de Integração, organizado pelo Departamento de Desenvolvimento de Pessoas (DDP) foi realizada no dia 27, no campus de Goiabeiras. Os/as professor/as foram convidados para se sindicalizarem e fortalecer a luta por melhores condições de trabalho, carreira e educação pública.

Ele apresentou a história da Adufes e do sindicato nacional (ANDES-SN), além da luta da categoria contra a retirada de direitos, por condições dignas de trabalho. “São 41 anos de história e luta incansável em defesa da categoria e junto com o Andes-SN tivemos inúmeras conquistas”, lembrou frisando que somente com mobilização e a unidade da luta será possível avançar nas conquistas.

Ataques. José Antônio frisou que a atuação sindical também envolve questões sociais e políticas, como o apoiasemana do servidor a luta por moradia, no combate ao racismo, machismo e a LGBTfobia. Rocha destacou a importância das últimas greves que levaram milhares às ruas na capital capixaba em defesa da educação e contra a reforma da previdência. “Os atos são uma resposta aos ataques à educação pública, professores, estudantes, técnicos-administrativos vêm sofrendo”, destacou.

Para ele, a reforma da Previdência (PEC 06/2019) vem sendo considerada como um dos maiores ataques aos direitos dos/as trabalhadores. O presidente da Adufes apresentou ainda os serviços oferecidos aos sindicalizados, como assessoria jurídica, convênios de saúde, lazer e educação.

Funpresp. A Adufes aproveitou o encontro com os/as novos/as docentes para alertá-los sobre os problemas da adesão ao Funpresp. Rocha explicou que o governo federal impôs à adesão automática dos servidores públicos, estabelecendo prazo de 90 dias, após a data, para fazer a desistência ou a confirmação ao fundo. O Funpresp é um fundo de pensão para servidores públicos federais que investe as contribuições mensalmente no mercado financeiro. As contribuições são definidas, mas o retorno não.

Mário Acrisio Júnior, professor do Departamento de Letras, tirou dúvidas sobre o fundo. “Avaliarei com calma a possibilidade de pedir desistência do Funpresp, pois se tratar de decisão irrevogável, com efeitos drásticos no valor da aposentadoria”. O docente recém-ingresso à universidade elogiou a participação do sindicato na semana de boas-vindas ao servidores/as.

Fonte: Adufes

ANDES